Popular Angola Books

24+ [Hand Picked] Popular Books On Angola

Discover the list of some best books written on Angola by popular award winning authors. These book on topic Angola highly popular among the readers worldwide.

3/5

The Book of Chameleons by José Eduardo Agualusa , Daniel Hahn (Translator)

The narrator of this novel is a rather charming lizard. He lives on Felix Ventura's living-room wall, Felix, the lizard's friend and hero of the story, is a man who sells pasts - if you don't like yours, he can come up with an new one for you, a new past - full of better memories, with a complete lineage, photos and all."

I WANT TO READ THIS
3.2/5

A General Theory of Oblivion by José Eduardo Agualusa , Daniel Hahn (Translator)

On the eve of Angolan independence an agoraphobic woman named Ludo bricks herself into her apartment for 30 years, living off vegetables and the pigeons she lures in with diamonds, burning her furniture and books to stay alive and writing her story on the apartment’s walls. Almost as if we’re eavesdropping, the history of Angola unfolds through the stories of those she sees On the eve of Angolan independence an agoraphobic woman named Ludo bricks herself into her apartment for 30 years, living off vegetables and the pigeons she lures in with diamonds, burning her furniture and books to stay alive and writing her story on the apartment’s walls. Almost as if we’re eavesdropping, the history of Angola unfolds through the stories of those she sees from her window. As the country goes through various political upheavals from colony to socialist republic to civil war to peace and capitalism, the world outside seeps into Ludo’s life through snippets on the radio, voices from next door, glimpses of someone peeing on a balcony, or a man fleeing his pursuers. A General Theory of Oblivion is a perfectly crafted, wild patchwork of a novel, playing on a love of storytelling and fable.

I WANT TO READ THIS
3.7/5

Another Day of Life by Ryszard Kapuściński , Klara Glowczewska (Translator) , Katarzyna Mroczkowska-Brand (Translator) , William Brand (Translator)

'This is a very personal book, about being alone and lost'. In 1975 Kapuscinski's employers sent him to Angola to cover the civil war that had broken out after independence. For months he watched as Luanda and then the rest of the country collapsed into a civil war that was in the author's words 'sloppy, dogged and cruel'. In his account, Kapuscinski demonstrates an extrao 'This is a very personal book, about being alone and lost'. In 1975 Kapuscinski's employers sent him to Angola to cover the civil war that had broken out after independence. For months he watched as Luanda and then the rest of the country collapsed into a civil war that was in the author's words 'sloppy, dogged and cruel'. In his account, Kapuscinski demonstrates an extraordinary capacity to describe and to explain the individual meaning of grand political abstractions.

I WANT TO READ THIS
4/5

Good Morning Comrades by Ondjaki , Stephen Henighan (Translator)

Luanda, Angola, 1990. Ndalu is a normal twelve-year old boy in an extraordinary time and place. Like his friends, he enjoys laughing at his teachers, avoiding homework and telling tall tales. But Ndalu's teachers are Cuban, his homework assignments include writing essays on the role of the workers and peasants, and the tall tales he and his friends tell are about a crimina Luanda, Angola, 1990. Ndalu is a normal twelve-year old boy in an extraordinary time and place. Like his friends, he enjoys laughing at his teachers, avoiding homework and telling tall tales. But Ndalu's teachers are Cuban, his homework assignments include writing essays on the role of the workers and peasants, and the tall tales he and his friends tell are about a criminal gang called Empty Crate which specializes in attacking schools. Ndalu is mystified by the family servant, Comrade Antonio, who thinks that Angola worked better when it was a colony of Portugal, and by his Aunt Dada, who lives in Portugal and doesn't know what a ration card is. In a charming voice that is completely original, Good Morning Comrades tells the story of a group of friends who create a perfect childhood in a revolutionary socialist country fighting a bitter war. But the world is changing around these children, and like all childhood's Ndalu's cannot last. An internationally acclaimed novel, already published in half a dozen countries, Good Morning Comrades is an unforgettable work of fiction by one of Africa's most exciting young writers.

I WANT TO READ THIS
3.4/5

Mayombe by Pepetela

Pepetela's novel is a fascinating study of the tensions produced by racism, tribalism, and sexual morals.

I WANT TO READ THIS
3.9/5

The Last Train to Zona Verde: My Ultimate African Safari by Paul Theroux

Following the success of the acclaimed Ghost Train to the Eastern Star and The Great Railway Bazaar, The Last Train to Zona Verde is an ode to the last African journey of the world's most celebrated travel writer. “Happy again, back in the kingdom of light,” writes Paul Theroux as he sets out on a new journey through the continent he knows and loves best. Theroux first came Following the success of the acclaimed Ghost Train to the Eastern Star and The Great Railway Bazaar, The Last Train to Zona Verde is an ode to the last African journey of the world's most celebrated travel writer. “Happy again, back in the kingdom of light,” writes Paul Theroux as he sets out on a new journey through the continent he knows and loves best. Theroux first came to Africa as a twenty-two-year-old Peace Corps volunteer, and the pull of the vast land never left him. Now he returns, after fifty years on the road, to explore the little-traveled territory of western Africa and to take stock both of the place and of himself. His odyssey takes him northward from Cape Town, through South Africa and Namibia, then on into Angola, wishing to head farther still until he reaches the end of the line. Journeying alone through the greenest continent, Theroux encounters a world increasingly removed from both the itineraries of tourists and the hopes of postcolonial independence movements. Leaving the Cape Town townships, traversing the Namibian bush, passing the browsing cattle of the great sunbaked heartland of the savanna, Theroux crosses “the Red Line” into a different Africa: “the improvised, slapped-together Africa of tumbled fences and cooking fires, of mud and thatch,” of heat and poverty, and of roadblocks, mobs, and anarchy. After 2,500 arduous miles, he comes to the end of his journey in more ways than one, a decision he chronicles with typically unsparing honesty in a chapter called “What Am I Doing Here?” Vivid, witty, and beautifully evocative, The Last Train to Zona Verde is a fitting final African adventure from the writer whose gimlet eye and effortless prose have brought the world to generations of readers.

I WANT TO READ THIS
4.6/5

Os Transparentes by Ondjaki

Mitten im Zentrum der angolanischen Hauptstadt Luanda steht das Maianga-Gebäude, ein heruntergekommenes Hochhaus, an einem riesigen Loch in der Außenwand zu erkennen. Im ersten Stock strömt pausenlos frisches Wasser aus maroden Leitungen. Es ist ein Ort der Magie, Treffpunkt der Hausbewohner, Straßenhändle-rinnen, Journalisten, Tagediebe. Auf dem Dach wird ein illegales Kin Mitten im Zentrum der angolanischen Hauptstadt Luanda steht das Maianga-Gebäude, ein heruntergekommenes Hochhaus, an einem riesigen Loch in der Außenwand zu erkennen. Im ersten Stock strömt pausenlos frisches Wasser aus maroden Leitungen. Es ist ein Ort der Magie, Treffpunkt der Hausbewohner, Straßenhändle-rinnen, Journalisten, Tagediebe. Auf dem Dach wird ein illegales Kino betrieben, das bisweilen ganz ohne Leinwand auskommt. Korrupte Be-amte, ein Hahn namens Camões und ein Briefträger, der seine Briefe meist selber schreibt, gehen ein und aus, sogar ein leibhaftiger Minister taucht plötzlich auf - rein privat selbstverständlich. Im Untergrund von Luanda wird derweil nach Erdöl gebohrt, Gerüchte um eine ominöse Erschließungsgesellschaft machen die Runde, Politiker wittern das große Geld, während Angola sich auf eine weltweit beachtete Sonnenfinsternis vorbereitet, die in letzter Sekunde von der Regierung schlicht abgesagt wird. Dann überschlagen sich die Ereignisse, und Luanda brennt. Die Durchsichtigen ist eine poetische Satire auf das postkoloniale, postsozialistische, real existierende Angola, eine augenzwinkernde Liebeserklärung an die Bewohner Luandas. Roman (AfrikAWunderhorn)

I WANT TO READ THIS
4.6/5

The Whistler by Ondjaki

From Angola, a country riddled with civil war and its aftereffects for the last 30 years, comes a surprising story of hope, passion, and magical realism from a groundbreaking, young African novelist. A young man arrives at the church of a small African village and starts whistling so beautifully that the priest is left in tears. As his weeklong stay continues, the whistler From Angola, a country riddled with civil war and its aftereffects for the last 30 years, comes a surprising story of hope, passion, and magical realism from a groundbreaking, young African novelist. A young man arrives at the church of a small African village and starts whistling so beautifully that the priest is left in tears. As his weeklong stay continues, the whistler finds himself affected by the colorful inhabitants of the village as they all become bewitched and surrender to the moods of his melodies.

I WANT TO READ THIS
3.9/5

As Mulheres do Meu Pai by José Eduardo Agualusa

Faustino Manso, famoso compositor angolano, deixou ao morrer sete viúvas e dezoito filhos. A filha mais nova, Laurentina, realizadora de cinema tenta reconstruir a atribulada vida do falecido músico. Em As Mulheres do Meu Pai, realidade e ficção correm lado a lado, a primeira alimentando a segunda. Nos territórios que José Eduardo Agualusa atravessa, porém, a ficção partic Faustino Manso, famoso compositor angolano, deixou ao morrer sete viúvas e dezoito filhos. A filha mais nova, Laurentina, realizadora de cinema tenta reconstruir a atribulada vida do falecido músico. Em As Mulheres do Meu Pai, realidade e ficção correm lado a lado, a primeira alimentando a segunda. Nos territórios que José Eduardo Agualusa atravessa, porém, a ficção participa da realidade. As quatro personagens do romance que o autor escreve, enquanto viaja, vão com ele de Luanda, capital de Angola, até Benguela e Namibe. Cruzam as areias da Namíbia e as suas povoações-fantasma, alcançando finalmente Cape Town, na África do Sul. Continuam depois, rumo a Maputo, e de Maputo a Quelimane, junto ao rio dos Bons Sinais, e dali até à ilha de Moçambique. Percorrem, nesta deriva, paisagens que fazem fronteira com o sonho, e das quais emergem, aqui e ali, as mais estranhas personagens. As Mulheres do Meu Pai é um romance sobre mulheres, música e magia. Nestas páginas anuncia-se o renascimento de África, continente afectado por problemas terríveis, mas abençoado pelo talento da música, o sempre renovado vigor das mulheres e o secreto poder de deuses muito antigos.

I WANT TO READ THIS
4.9/5

Os Cus de Judas by António Lobo Antunes

Logo depois de voltar da guerra em Angola, António Lobo Antunes escreve Os cus de Judas, sobre suas experiências naquele país. O romance se tornou um enorme sucesso, vindo a ser o primeiro grande livro sobre o conflito e a independência angolanos e uma referência histórica obrigatória. Numa narrativa não-linear e fragmentada, Lobo Antunes revela as inquietações existenciais Logo depois de voltar da guerra em Angola, António Lobo Antunes escreve Os cus de Judas, sobre suas experiências naquele país. O romance se tornou um enorme sucesso, vindo a ser o primeiro grande livro sobre o conflito e a independência angolanos e uma referência histórica obrigatória. Numa narrativa não-linear e fragmentada, Lobo Antunes revela as inquietações existenciais de um ser humano, na indelével experiência de uma guerra, que se misturam às memórias de infância e juventude na Lisboa salazarista. O autor utiliza-se, na maior parte do romance, do fluxo de consciência e da associação de idéias, para construir a história e o perfil de seu narrador-protagonista, um personagem que, a partir de "uma dolorosa aprendizagem da agonia", vê sua vida e seus valores estilhaçados pela melancolia. O que lhe resta são fragmentos de memória - a criança que visitava com os pais o jardim zoológico aos domingos, o jovem que assiste impassível a seu futuro sendo traçado pela autoridade inquestionável de uma família salazarista, o adulto apático e frustrado diante da violência que lhe retira as rédeas e o sentido da vida. O leitor vai estar frente a frente com "decadência, putrefação, pestilência e morte. Adicionando canalhice, violência e insensatez". Para o jornalista português Nuno Barbosa, "Lobo Antunes, dando plena expressão a uma escrita impiedosa e grosseira consegue uma harmonia preciosa entre a violência do narrado e a rudez dos termos utilizados - as suas palavras ganham, portanto, uma credibilidade muito maior, criando um elo profundo com a realidade." O livro, que recebeu o prêmio Franco-Português conferido pela Embaixada da França em Lisboa, está na 21.ª edição em Portugal e já foi vendido para mais de dez países como Inglaterra, França, Itália, Alemanha e Suécia.

I WANT TO READ THIS
5/5

O Retorno by Dulce Maria Cardoso

1975 Luanda. A descolonização instiga ódios e guerras. Os brancos debandam e em poucos meses chegam a Portugal mais de meio milhão de pessoas. O processo revolucionário está no seu auge e os retornados são recebidos com desconfiança e hostilidade. Muitos não têm para onde ir nem do que viver. Rui tem quinze anos e é um deles. 1975. Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a fa 1975 Luanda. A descolonização instiga ódios e guerras. Os brancos debandam e em poucos meses chegam a Portugal mais de meio milhão de pessoas. O processo revolucionário está no seu auge e os retornados são recebidos com desconfiança e hostilidade. Muitos não têm para onde ir nem do que viver. Rui tem quinze anos e é um deles. 1975. Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a família vivem num quarto de um hotel de 5 estrelas a abarrotar de retornados — um improvável purgatório sem salvação garantida que se degrada de dia para dia. A adolescência torna­-se uma espera assustada pela idade adulta: aprender o desespero e a raiva, reaprender o amor, inventar a esperança. África sempre presente mas cada vez mais longe.

I WANT TO READ THIS
3.7/5

Rainy Season by José Eduardo Agualusa , Daniel Hahn (Translator)

A journalist is trying to find out what happened to Lidia, who disappeared in Luanda in 1992 - a point in time when the civil war flared up again with unprecedented ferocity. The story tells of the disappointment of the two protagonists, which represents the disappointment of a whole nation."

I WANT TO READ THIS
3.8/5

Jaime Bunda, Secret Agent: Story of Various Mysteries by Pepetela , Richard Bartlett (Translator)

Set in modern-day Luanda, this satirical crime novel introduces readers to Jaime Bunda, an overweight, incompetent detective set on the trail of a murderer. Through misstep and mistake, Bunda finds himself embroiled in crimes of passion and international criminal networks as he stumbles through contemporary Angola. This mystery pokes fun at the James Bond genre while offer Set in modern-day Luanda, this satirical crime novel introduces readers to Jaime Bunda, an overweight, incompetent detective set on the trail of a murderer. Through misstep and mistake, Bunda finds himself embroiled in crimes of passion and international criminal networks as he stumbles through contemporary Angola. This mystery pokes fun at the James Bond genre while offering humorous insight into contemporary Angolan culture.

I WANT TO READ THIS
4.8/5

Nação Crioula by José Eduardo Agualusa , António Jorge Gonçalves (Illustrator)

Nação Crioula conta a história de um amor secreto: a misteriosa ligação entre o aventureiro português Carlos Fradique Mendes – cuja correspondência Eça de Queiroz recolheu – e Ana Olímpia Vaz de Caminha, que, tendo nascido escrava, foi uma das pessoas mais ricas e poderosas de Angola. Nos fins do século XIX, em Luanda, Lisboa, Paris e Rio de Janeiro, misturam-se personalid Nação Crioula conta a história de um amor secreto: a misteriosa ligação entre o aventureiro português Carlos Fradique Mendes – cuja correspondência Eça de Queiroz recolheu – e Ana Olímpia Vaz de Caminha, que, tendo nascido escrava, foi uma das pessoas mais ricas e poderosas de Angola. Nos fins do século XIX, em Luanda, Lisboa, Paris e Rio de Janeiro, misturam-se personalidades históricas do movimento abolicionista, escravo e escravocratas, lutadores de capoeira, pistoleiros a soldo, demiurgos, numa luta mortal por um mundo novo.

I WANT TO READ THIS
3.8/5

A Rainha Ginga e de Como os Africanos Inventaram o Mundo by José Eduardo Agualusa

O romance de José Eduardo Agualusa conta a vida fantástica de Dona Ana de Sousa, a Rainha Ginga (1583-1663), cujo título real em quimbundo, "Ngola", deu origem ao nome português para aquela região de África. É a história de uma relação de amor e de combate permanente entre Angola e Portugal, narrada por um padre pernambucano que atravessou o mar e recorda personagens maravi O romance de José Eduardo Agualusa conta a vida fantástica de Dona Ana de Sousa, a Rainha Ginga (1583-1663), cujo título real em quimbundo, "Ngola", deu origem ao nome português para aquela região de África. É a história de uma relação de amor e de combate permanente entre Angola e Portugal, narrada por um padre pernambucano que atravessou o mar e recorda personagens maravilhosos e esquecidos da nossa história - tendo como elemento central a Rainha Ginga e o seu significado cultural, religioso, étnico e sexual para o mundo de hoje.

I WANT TO READ THIS
3.5/5

A General Theory of Oblivion by José Eduardo Agualusa , Daniel Hahn (Translator)

On the eve of Angolan independence an agoraphobic woman named Ludo bricks herself into her apartment for 30 years, living off vegetables and the pigeons she lures in with diamonds, burning her furniture and books to stay alive and writing her story on the apartment’s walls. Almost as if we’re eavesdropping, the history of Angola unfolds through the stories of those she sees On the eve of Angolan independence an agoraphobic woman named Ludo bricks herself into her apartment for 30 years, living off vegetables and the pigeons she lures in with diamonds, burning her furniture and books to stay alive and writing her story on the apartment’s walls. Almost as if we’re eavesdropping, the history of Angola unfolds through the stories of those she sees from her window. As the country goes through various political upheavals from colony to socialist republic to civil war to peace and capitalism, the world outside seeps into Ludo’s life through snippets on the radio, voices from next door, glimpses of someone peeing on a balcony, or a man fleeing his pursuers. A General Theory of Oblivion is a perfectly crafted, wild patchwork of a novel, playing on a love of storytelling and fable.

I WANT TO READ THIS
3.8/5

Band-Aid for a Broken Leg by Damien Brown

A powerful, surprisingly funny, and ultimately uplifting account of life on the medical front line, and a moving testimony of the work done by Medecins Sans Frontieres Damien Brown, a young doctor, thinks he's ready when he arrives for his first posting with Medecins Sans Frontieres in Africa. But the town he's sent to is an isolated outpost of mud huts, surrounded by land A powerful, surprisingly funny, and ultimately uplifting account of life on the medical front line, and a moving testimony of the work done by Medecins Sans Frontieres Damien Brown, a young doctor, thinks he's ready when he arrives for his first posting with Medecins Sans Frontieres in Africa. But the town he's sent to is an isolated outpost of mud huts, surrounded by landmines; the hospital, for which he's to be the only doctor, is filled with malnourished children and conditions he's never seen; and the health workers—Angolan war veterans twice his age who speak no English—walk out on him following an altercation on his first shift. In the months that follow, Damien confronts these challenges all the while dealing with the social absurdities of living with only three other volunteers for company. The medical calamities pile up—including a leopard attack, a landmine explosion, and having to perform surgery using tools cleaned on the fire—but it's through Damien's evolving friendships with the local people that his passion for the work grows. This heartbreaking and honest account of life on the medical front line in Angola, Mozambique, and South Sudan is a moving testimony of the work done by medical humanitarian groups and the extraordinary and sometimes eccentric people who work for them.

I WANT TO READ THIS
3/5

O Filho de Mil Homens by Valter Hugo Mãe

You can find an alternative cover for this ISBN here. Esta é a história de Crisóstomo que, chegando aos quarenta anos, lida com a tristeza de não ter tido um filho. Do sonho de encontrar uma criança que o prolongue e de outros inesperados encontros, nasce uma família inventada, mas tão pura e fundamental como qualquer outra. As histórias do Crisóstomo e do Camilo, da Isaura You can find an alternative cover for this ISBN here. Esta é a história de Crisóstomo que, chegando aos quarenta anos, lida com a tristeza de não ter tido um filho. Do sonho de encontrar uma criança que o prolongue e de outros inesperados encontros, nasce uma família inventada, mas tão pura e fundamental como qualquer outra. As histórias do Crisóstomo e do Camilo, da Isaura do Antonino e da Matilde mostram que para se ser feliz é preciso aceitar ser o que se pode, nunca deixando contudo de acreditar que é possível estar e ser sempre melhor. As suas vidas ilustram igualmente que o amor, sendo uma pacificação com a nossa natureza, tem o poder de a transformar. Tocando em temas tão basilares à vida humana como o amor, a paternidade e a família, O filho de mil homens exibe, como sempre, a apurada sensibilidade e o esplendor criativo de Valter Hugo Mãe.

I WANT TO READ THIS
4.7/5

Diamantes de Sangue: Corrupção e Tortura em Angola by Rafael Marques

O trabalho de investigação de Rafael Marques é já bem conhecido, sobretudo através dos canais de comunicação on-line. É ele um dos principais responsáveis por denunciar e divulgar os esquemas de corrupção que envolvem as mais altas esferas do poder em Angola, bem como as empresas e entidades estrangeiras que com ele negoceiam. Na região do Cuango, a situação é trágica. Par O trabalho de investigação de Rafael Marques é já bem conhecido, sobretudo através dos canais de comunicação on-line. É ele um dos principais responsáveis por denunciar e divulgar os esquemas de corrupção que envolvem as mais altas esferas do poder em Angola, bem como as empresas e entidades estrangeiras que com ele negoceiam. Na região do Cuango, a situação é trágica. Para benefício dos que exploram os diamantes, as populações são mantidas em condições de quase escravatura, sendo torturadas, assassinadas, roubadas e impedidas de manter quaisquer actividades de auto-subsistência. As autoridades e o governo ignoram os crimes, as forças armadas e policiais são não só coniventes como também protagonistas desses crimes.

I WANT TO READ THIS
4.1/5

The Last Train to Zona Verde: My Ultimate African Safari by Paul Theroux

Following the success of the acclaimed Ghost Train to the Eastern Star and The Great Railway Bazaar, The Last Train to Zona Verde is an ode to the last African journey of the world's most celebrated travel writer. “Happy again, back in the kingdom of light,” writes Paul Theroux as he sets out on a new journey through the continent he knows and loves best. Theroux first came Following the success of the acclaimed Ghost Train to the Eastern Star and The Great Railway Bazaar, The Last Train to Zona Verde is an ode to the last African journey of the world's most celebrated travel writer. “Happy again, back in the kingdom of light,” writes Paul Theroux as he sets out on a new journey through the continent he knows and loves best. Theroux first came to Africa as a twenty-two-year-old Peace Corps volunteer, and the pull of the vast land never left him. Now he returns, after fifty years on the road, to explore the little-traveled territory of western Africa and to take stock both of the place and of himself. His odyssey takes him northward from Cape Town, through South Africa and Namibia, then on into Angola, wishing to head farther still until he reaches the end of the line. Journeying alone through the greenest continent, Theroux encounters a world increasingly removed from both the itineraries of tourists and the hopes of postcolonial independence movements. Leaving the Cape Town townships, traversing the Namibian bush, passing the browsing cattle of the great sunbaked heartland of the savanna, Theroux crosses “the Red Line” into a different Africa: “the improvised, slapped-together Africa of tumbled fences and cooking fires, of mud and thatch,” of heat and poverty, and of roadblocks, mobs, and anarchy. After 2,500 arduous miles, he comes to the end of his journey in more ways than one, a decision he chronicles with typically unsparing honesty in a chapter called “What Am I Doing Here?” Vivid, witty, and beautifully evocative, The Last Train to Zona Verde is a fitting final African adventure from the writer whose gimlet eye and effortless prose have brought the world to generations of readers.

I WANT TO READ THIS
3.7/5

A Vida no Céu by José Eduardo Agualusa

"A Vida no Céu" é um romance distópico, num futuro que se segue ao Grande Desastre, e em que o Mundo deixou de ser onde e como o conhecemos. Encontrando-se o globo terrestre inteiramente coberto por água, e a temperatura, à superfície, intolerável, restou ao Homem subir aos céus. Mas essa ascensão é literal (não é alusiva ou simbólica): a Humanidade, reduzida agora a um pa "A Vida no Céu" é um romance distópico, num futuro que se segue ao Grande Desastre, e em que o Mundo deixou de ser onde e como o conhecemos. Encontrando-se o globo terrestre inteiramente coberto por água, e a temperatura, à superfície, intolerável, restou ao Homem subir aos céus. Mas essa ascensão é literal (não é alusiva ou simbólica): a Humanidade, reduzida agora a um par de milhões de pessoas, habita aldeias suspensas e cidades flutuantes - dirigíveis gigantescos denominados Tóquio, Xangai ou São Paulo -, e os mais pobres navegam o ar em pequenas balsas rudimentares. Carlos Benjamim Moco é o narrador da história. Tem 16 anos e nasceu numa aldeia, Luanda, que junta mais de cem balsas. O desaparecimento do pai fará com que Benjamim decida partir à sua procura.

I WANT TO READ THIS
4.7/5

A Rainha Ginga e de Como os Africanos Inventaram o Mundo by José Eduardo Agualusa

O romance de José Eduardo Agualusa conta a vida fantástica de Dona Ana de Sousa, a Rainha Ginga (1583-1663), cujo título real em quimbundo, "Ngola", deu origem ao nome português para aquela região de África. É a história de uma relação de amor e de combate permanente entre Angola e Portugal, narrada por um padre pernambucano que atravessou o mar e recorda personagens maravi O romance de José Eduardo Agualusa conta a vida fantástica de Dona Ana de Sousa, a Rainha Ginga (1583-1663), cujo título real em quimbundo, "Ngola", deu origem ao nome português para aquela região de África. É a história de uma relação de amor e de combate permanente entre Angola e Portugal, narrada por um padre pernambucano que atravessou o mar e recorda personagens maravilhosos e esquecidos da nossa história - tendo como elemento central a Rainha Ginga e o seu significado cultural, religioso, étnico e sexual para o mundo de hoje.

I WANT TO READ THIS
3.9/5

O Retorno by Dulce Maria Cardoso

1975 Luanda. A descolonização instiga ódios e guerras. Os brancos debandam e em poucos meses chegam a Portugal mais de meio milhão de pessoas. O processo revolucionário está no seu auge e os retornados são recebidos com desconfiança e hostilidade. Muitos não têm para onde ir nem do que viver. Rui tem quinze anos e é um deles. 1975. Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a fa 1975 Luanda. A descolonização instiga ódios e guerras. Os brancos debandam e em poucos meses chegam a Portugal mais de meio milhão de pessoas. O processo revolucionário está no seu auge e os retornados são recebidos com desconfiança e hostilidade. Muitos não têm para onde ir nem do que viver. Rui tem quinze anos e é um deles. 1975. Lisboa. Durante mais de um ano, Rui e a família vivem num quarto de um hotel de 5 estrelas a abarrotar de retornados — um improvável purgatório sem salvação garantida que se degrada de dia para dia. A adolescência torna­-se uma espera assustada pela idade adulta: aprender o desespero e a raiva, reaprender o amor, inventar a esperança. África sempre presente mas cada vez mais longe.

I WANT TO READ THIS
3.7/5

Esse Cabelo by Djaimilia Pereira de Almeida

O que se passa por dentro das cabeças é mais importante do que o que se passa por fora? Falar de cabelos é sempre uma futilidade? Não necessariamente, até porque, segundo a narradora deste texto belo e contundente, «escrever parece-se com pentear uma cabeleira em descanso num busto de esferovite» e visitar salões é uma boa forma de conhecer países, de aprender a distinguir O que se passa por dentro das cabeças é mais importante do que o que se passa por fora? Falar de cabelos é sempre uma futilidade? Não necessariamente, até porque, segundo a narradora deste texto belo e contundente, «escrever parece-se com pentear uma cabeleira em descanso num busto de esferovite» e visitar salões é uma boa forma de conhecer países, de aprender a distinguir modos e feições e até de detectar preconceitos. Esta é a história de uma menina que aterrou despenteada aos três anos em Lisboa, vinda de Luanda, e das suas memórias privadas ao longo do tempo, porque não somos sempre iguais aos nossos retratos de infância; mas é também a história das origens do seu cabelo crespo, cruzamento das vidas de um comerciante português no Congo, de um pescador albino de M’banza Kongo, de católicas anciãs de Seia, de cristãos-novos maçons de Castelo Branco - uma família que descreveu o caminho entre Portugal e Angola ao longo de quatro gerações com um à-vontade de passageiro frequente. E, assim, ao acompanharmos as aventuras deste cabelo crespo - curto, comprido, amado, odiado, tantas vezes esquecido ou confundido com o abismo mental -, é também à história indirecta da relação entre vários continentes - a uma geopolítica - que inequivocamente assistimos.

I WANT TO READ THIS